sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Entrevista Planeta Turismo com Ruy Façanário

Logotipo do Programa
A equipe a Arte do Turismo e da Hotelaria entrevistou o apresentador Ruy Façanário do Programa Planeta Turismo que é apresentado em todos os domingos a 7h 30min no Sistema Brasileiro de Televisão (SBT).
Segundo o texto exposto no Site do Programa:
Arquivo Pessoal
“Nossa história começa em 1995, quando então surge o Programa Camping & Lazer, com o objetivo de mostrar alternativas de turismo, em especial o campismo, na então Rede Mulher de TV. Esse programa ficou do ar até o final de 2000, quando saímos e observamos que o nome precisava ser maior, que atendesse mais demandas do turismo e ai surge o Planeta Turismo. Passando por umas Tvs a Cabo entre 2000 e 2001.Em 2002 acontece a estreia no SBT, fase muito importante onde o programa se consolidou, em 2003 recebe o prêmio de melhor programa de turismo da TV, o que motiva ainda mais toda a equipe  pra seguir mostrando o melhor do turismo no Brasil e no mundo.
Foram quase 5 anos no SBT, saindo no final de outubro de 2006.
Em 2007 o Planeta Turismo passa pela TVJB, e em 2008 chega à TV Cultura, ganhando mais um selo de qualidade.
Arquivo Pessoal
Em 2009 faz sua estreia da Rede TV! onde permanece por quase dois anos.
Agora em 2014 o Planeta Turismo volta com toda força nas manhãs de domingo do SBT, prometendo muita aventura e emoção, escrevendo mais uma página da sua história.”
Na entrevista Ruy conta as suas experiências, carreira, dia a dia e ainda dá conselhos para os profissionais e futuros profissionais. Acompanhe a entrevista na integra:
1.    Ruy você possui formação na área? Se sim, qual?
Sou formado em Psicologia, tendo atuado por 8 anos na área antes de me tornar apresentador, depois me especializei em marketing, voltado para o turismo
2.    O que fez você a escolher o turismo como profissão? Tinha outra profissão em mente antes do turismo?
Como respondi anteriormente, acho que o turismo me escolheu depois que comecei e é um orgulho poder mostrar isso na TV.
Arquivo Pessoal
3.    O programa surgiu em 1995, que era apresentado na então Rede Mulher na TV, mas o antigo nome era Campismo e Lazer. Ruy a partir de que surgiu a ideia de realizar esses programas?
A ideia surgiu de uma brincadeira entre amigos e ai fui acreditando que seria possível fazer algo, mas nunca imaginei que iria tão longe, entendo que construímos algo especial, mostrar nosso turismo, de uma forma leve e descontraída, em 2000 mudamos o nome, pois atingíamos todo tipo de turismo, o que fortaleceu o trabalho.
4.    No inicio como eram o procedimento do programa, você fazia as viagens e mostrava as principais características do local?
No inicio começamos com os campings, mostrando essa modalidade de turismo, mas ai vimos que podia ir bem além, as viagens aconteciam e sempre buscava mostrar coisas diferentes de cada lugar, sempre no improviso, o que acabou dando certo,
5.    Nota-se que durante a sua carreira você ganhou alguns prêmios de melhor programa de turismo, a que você dedica esses prêmios?
Ao trabalho, muita dedicação e amor no que faço.
Arquivo Pessoal
6.    Para você qual é a importância de conhecer outros lugares, nova culturas e novos hábitos?
Esse conhecimento não tem preço, as histórias, os lugares, enfim, levar coisas boas para as pessoas de um forma geral, me abasteço e levo essa energia para todos que gostam desse trabalho.
7.    Em que sentido você acredita que o turismo possa interferir na vida dos viajantes?
O turismo tem que ser visto como uma grande indústria e nosso país tem essa vocação natural, falta incentivo, pois com certeza vai gerar emprego em todos os setores, o turismo é capaz disso, muitas regiões podiam se desenvolver ainda mais com o turismo, formar mão de obra, capacitar as pessoas e os investimentos em hotéis, pousadas, restaurantes, enfim, é uma grande máquina.
Arquivo Pessoal
8.    Ruy, a sua carreira e o seu trabalho são admirados pela maioria dos futuros turismólogos. Qual é a receita do sucesso? Qual conselho você dá para os futuros profissionais que almejam ganhar nome na área?
Que acreditem no turismo, e pensem o turismo além das coisas acadêmicas, pois nem sempre da para aplicar e temos que ter a sabedoria de entender cada lugar. Com isso a receita a trabalho e muita dedicação.
9.    Atualmente quantas pessoas trabalham com você?
Umas dez pessoas
Arquivo Pessoal
10. Sobre a sua reestreia no SBT, da nova temporada tem algum lugar que você visitou que realmente te encantou? Quais são os desafios dessa empreita?
São muitos, cada um com sua característica, sou apaixonado pelo Brasil.
11.  Como é o dia a dia de filmagens?
Começa sempre muito sedo, por volta das 6h e só termina quando o sol se põe, a natureza é assim, temos que interagir o tempo todo, por isso o programa acontece. Empenho e dedicação.

AGRADECIMENTO
A Equipe A Arte do Turismo e da Hotelaria fica lisonjeado com a entrevista com o apresentador Ruy Façanário, desejamos muito sucesso em sua carreira e boas novas ao programa. Agradecemos a simpatia e cordialidade

CONTATO
Programa Planeta Turismo: diretoria@planetaturismo.com
Site Planeta Turismo: http://www.planetaturismo.com/
Facebook Planeta Turismo: https://www.facebook.com/pages/Programa-Planeta-Turismo-Ruy-Fa%C3%A7anario/134031129965773?fref=ts
Acompanhe os programas do Planeta Turismo: https://www.youtube.com/user/ruyplaneta
Contato A Arte do Turismo e da Hotelaria: Leonardo.giovane@hotmail.com
A Arte do Turismo e da Hotelaria no Facebook: https://www.facebook.com/pages/A-Arte-do-Turismo-e-da-Hotelaria/815870901760518?fref=ts
Todos os direitos reservados

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Turismo Adaptado- Por Alexandre Quintino

Imagens Retiradas da Internet
  Cerca de 24 % da população de todo o Pais tem algum tipo de deficiência aproximadamente 46 milhões de brasileiros seja ela física,auditiva,visual ou deficiência sensoriais ,mental ou intelectual ,paralisia cerebral ,síndrome de Down e múltipla. Dessa forma dez por cento da população mundial tem um tipo de deficiência fazendo com que 80% viva em pais em desenvolvimento que é o caso do nosso Brasil.
      Pensando nesse ponto de vista vem se perguntando por que o turismo adaptado cresce a cada dia? Já que é um tema tem se falado muito no mercado nacional e internacional fazendo com que acabe de vez com esse preconceito que não se leva a nada, pois todos tem o direito de ir e vim independente da deficiência afinal estão fazendo turismo do mesmo jeito ou ate mais dependendo do destino escolhido, esse seguimento vem tomando espaço de uma maneira muito positiva fazendo o que as empresa pense no assunto e fale da melhor formas pois estão vendendo produtos turísticos .
Imagens Retiradas da Inter


      O país vem se desenvolvendo no turismo crescentemente chegando 9,5 por cento da economia global, cerca de 500 bilhões de reais e nos faz estar na sexta posição mundial, com todos esses avanços o turismo adaptado mostra que somo sim o país da diversidade cultural e não temos só as belezas naturais, mas também uma cultura cheia de valores e de vários povos que cada região leva suas historia, costumes, crenças, gastronomia e o nosso carnaval insubstituível que dentro de um continente chamado America do Sul podemos ver vários ritmos de carnaval seja ele samba, axé ate mesmo o carnaval cultural de um estado tornado o nosso continente referencia dentro e fora do país.
     

     E o turismos de aventura adaptado com sua grande procura e estar ao lado da natureza e fazer esporte e essencial na vida de todos pensando dessa maneira a varias modalidade de turismo de aventura (escalar paredes, pular de paraquedas, trilhas para deficientes visuais na chapada dos Guimarães no Mato Grosso) dicas de passagem a cidade Socorro no interior paulista onde tem catorze atividades de aventura totalmente adaptado como as pontes de madeiras entre as copas das arvores, tirolesa, passeios em carros adaptados entre outras modalidades, vale lembra que esse setor é de uma importância grande, gerando empregos diretos e indiretos e levando o turismo adaptado, além disso, tornado o prazer de viajar e a liberdade estar dentro de todos e explora como qualidade de vida se aventurando junto da natureza que da o equilíbrio que todos precisam para sermos mais humanos e mostrar que a deficiência e se adequá, mesmo assim não é impossível que a busca da felicidade dependa de cada um, sem duvidadas a acessibilidade e a inclusão social faz parte de todos para viver no país justo e acessível.
Imagem Retirada da Internet


          O Brasil tem a junção das leis de acessibilidades seja no federal, estadual e municipal, pesando nesse ponto de vista é necessário mudar essa realidade das pessoas e ver e não se comover, mas sim ter atitudes e pensando no bem de todos. Encontramo-nos no século vinte e um no qual o mundo digital permite que possamos navegar por onde sentirmos vontade, mas precisamos ter solidariedade e pensar no outro, precisamos saber que de fato que não somos únicos pais, cheio de satisfação e a alegria nesse sentido a deficiência e o turismos adaptado, como exemplo, é tratado em uma mesma sintonia, nesse sentido se entende que podemos e queremos fazer o diferencial só depende de cada um.

Sobre o Autor
Alexandre Quintino
Nasci em Arapiraca/AL ,cursei o ensino médio no colégio santíssimo senhor, sou Bacharel em Turismo pela Faculdade de Ensino Regional Alternativa FERA, onde realizei o trabalho de conclusão de curso como o tema TURISMO SEM EXCLUSÃO UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO DE DEFICIENTES COM AS PRATICAS TURÍSTICAS .
Atualmente faço pós em Recursos Humanos e também um curso de eventos que me identifico muito nessa área de eventos onde pretendo atuar e dedicar minha vida profissional, como em outros segmentos do turismo. O turismo adaptado e acessível para todos, cultural e ecoturismo.
Ler nos faz viajar, mas é fundamental para a mente. Portanto pratique esse dom que transforma as pessoas

Contato: alexandre.aqs@hotmail.com

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Exposição Ron Mueck- Pinacoteca de São Paulo

Ron Mueck é um escultor australiano, internacionalmente reconhecido, pelo realismo de suas obras. 
Após o sucesso de suas exposições pela Nova Zelândia, Japão, França, México e Argentina, suas obras chegaram ao Brasil. 
Passaram primeiro pelo Rio de Janeiro e, desde o dia 20 de novembro, estão em exposição na Pinacoteca de São Paulo.
Escolhemos a noite de quinta-feira para conferir o trabalho desse inovador artista contemporâneo.
Chegamos às 19h e já encontramos uma pequena fila na calçada, antes mesmo de ultrapassar os portões de acesso ao jardim da Pinacoteca, no Parque da Luz. Do lado interno, uma outra fila, com aproximadamente cem pessoas, aguardava ao pé da escadaria do prédio.
Aguardamos por cerca de 30 minutos, nas duas filas, sob fina garoa. Nada tirou o bom humor dos visitantes, muitos jovens, pais com seus filhos e grupos da terceira idade. Todos ansiosos.
Não canso de olhar para o resultado do restauro nos prédios da Estação da Luz e da Pinacoteca. Essa última, me encanta particularmente, por ter juntos a arquitetura e materiais originais e a contemporaneidade do ferro, das passarelas e da claraboia. Mas isso é assunto para outro momento.
Maos
Finalmente chegou o esperado momento, o de conferir de perto o meticuloso trabalho de Ron Mueck. 
A exposição ocupa algumas salas do primeiro andar e o Octógono. 
A riqueza dos detalhes surpreende, pequenas rugas, barba, olheiras, expressões faciais, gestos ...
Uma exposição que nos faz esquecer do tempo; nossos olhares pedem muito mais que alguns minutos em cada uma das 9 esculturas.
Acompanha a exposição, o documentário "Still Life: Ron Mueck at Work", que apresenta o artista trabalhando.

RON MUECK
20 de novembro de 2014 a 22 de fevereiro de 2015
PINACOTECA DE SÃO PAULO
Praça da Luz, 2 – Luz

Funcionamento
Terça a domingo das 10h às 18h
Quintas aberto até 22h - Entrada até às 20h30

Ingressos
R$ 6,00 e R$ 3,00
Gratuito às quintas após as 17h e sábados o dia todo

Complemento





Matéria de Júnia Matsuura
Guia de Turismo e Voluntária no Projeto Social, Sí, Yo Puedo!

Contato: juniakmatsuura@gmail.com

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Revolução Constitucionalista 1932- Turismo Rural

Na divisa do Estado de São Paulo com o sul de Minas Gerais se situa a Joia da Mantiqueira, mas conhecida como a Estância Turística de Joanópolis ou Terra do Lobisomem.  Uma cidade com um potencial turístico notável, bem como o turismo cultural, histórico, religioso, ecológico, aventura, rural e muitos outros.
Foto: KK. Alcover
No eixo do turismo histórico/cultural o município já foi palco de grandes acontecimentos históricos, bem como a visita dos bandeirantes na marcha para Minas Gerais, à expansão cafeeira e a revolução constitucionalista de 1932.
Em síntese a Revolução Constitucionalista foi à reação da elite paulistana ao governo de Getúlio Vargas. Após o golpe de estado de 1930 aumenta muito a insatisfação dos paulistas, por Vargas aumentou o poder e elegeu interventores para cada estado. Dessa forma os paulistas esperavam as eleições há dois anos, mas elas não ocorreram e o governo provisório se mantinha.
Vargas não atendia as manifestações da elite paulistana, bem como dos estudantes, comerciantes e profissionais liberais, dando origem a uma serie de manifestações de rua e, em 23 de maio de 1932 em uma manifestação houve uma forte repressão policial, ocasionando a morte de quatro estudantes (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo), as iniciais deles tornaram o símbolo da revolução MMDC.
Foto: KK. Alcover
Assim em 9 de julho de 32 tem inicio a Revolução Constitucionalista. Os combates ocorreram no Estado de São Paulo, na região do Sul de Minas e no sul do Mato Grosso. As reivindicações dos paulistas eram a elaboração de uma nova Constituição e a convocação de eleições para presidentes. Exigiam também, de imediato, a saída do interventor pernambucano João Alberto e a nomeação de um interventor paulista, além da instauração da democracia.
Os paulistas só possuíam apoio do sul do estado do Mato Grosso e teve que combater as forças federais. A revolução chega ao fim em 28 de setembro de 1932 com a rendição de São Paulo e com mais de três mil brasileiros mortos e cinco mil feridos. (HISTORIA, 2014)
Foto: KK.Alcover
Neste contexto se insere a importância do turismo em resgatar, perpetuar e transmitir essa memória tanto para as futuras gerações, quanto aos turistas que por aqui passam. A partir desse conceito foi realizado o 3º Festival de Gastronomia Rural de Joanópolis com a temática “Joanópolis resgata a Revolução de 32 e a culinária da roça”.
O evento foi organizado pela a 4º Turma do curso de Turismo Rural- SENAR sob coordenação da Prof. Ms. Cândida Baptista, realizado no Espaço CanCan no Bairro do CanCan no dia 14 de novembro de 2014.
Segundo a Professora a ideia da temática do evento surgiu após analisar a árvore genealógica das famílias dos alunos. Ela ainda afirma que os convidados tiveram o privilégio de conhecer o bairro, conhecer um pouco mais sobre a revolução e desfrutar a culinária típica da roça.
O programa além de objetivo capacitar o produtor rural para receber o turista, pautando pelo eixo histórico/cultural, permite o aluno conhecer melhor a historia da sua região e na pratica permite a ele absorver técnicas de transmitir esse conhecimento.
Foto: KK. Alcover
Analisando pelo lado do ouvinte (turista/convidado) as informações que estão sendo expostas são triviais para se entender o histórico da região, o modo de vida e, sobretudo entender como se deu o que conhecemos hoje.
Transmitir valores históricos fomenta o conhecimento do transmissor e do receptador, além disso, contribui para a perpetuação e o resgate das memórias. Visto que ações que estimulam o conhecimento da trajetória dos nossos antepassados se encontram mais escassas no contexto atual.



REFERÊNCIAS

HISTORIA, Café. Revolução Constitucionalista de 1932, Revolução de 32 ou Guerra Paulista. Disponível em < http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/1980410:BlogPost:1046182> Acesso em: 21 de novembro de 2014.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Invasão Cultural

Imagem Retirada da Internet- Global Culture
A sociedade atual é marcada pelo desenvolvimento tecnológico assimétrico, dado pelas inúmeras invenções e os aprimoramentos do âmbito técnico/cientifico, que por sua vez obriga a população a se adequar aos novos padrões de vida e de conhecimento.
Neste percurso de transformações vividas pela população alguns hábitos são obrigados a se transformar ou simplesmente deixar de existir. Um exemplo desses hábitos, ou melhor, desses costumes e valores que são atingidos, são os traços culturais de um determinado grupo de pessoas.
O desenvolvimento oprime os traços culturais tradicionais com o pretexto de levar o desenvolvimento, reinventar e aperfeiçoar os modos de vida. De certa forma é visível que essa opressão e degradação não são diagnosticadas no primeiro instante, mas ela pode ser aferida ao longo de muitos anos.
O fato é que o progresso gera novas formas de emprego, ditando novos produtos, propõem padrões sociais em todos os âmbitos e, em especial, utiliza os meios de comunicação como forma de vender anseios e formar ideias.
Assim, é neste contexto que se insere o assunto principal, a Degradação Cultural. A cultura, em síntese, é parcialmente pertencente a um determinado grupo, seja uma cidade, um estado ou um país, tal grupo possui os mecanismos para disseminar e transmitir os seus traços culturais para as futuras gerações.
Mas tal síntese só poderia funcionar integralmente se não houvesse um processo de evolução chamado “progresso”. Como mencionado anteriormente, um dos mecanismos que o progresso aprimorou foi a comunicação, e assim ela tem como principal intuito de vender anseios e formar ideias.
Os traços culturais que, posteriormente, encontravam-se consolidados, dado pela baixa interação com os outros povos ou também pela não existência de tantos habitantes no mundo, agora se encontram fragilizados e dependentes de algumas pessoas ou organizações que perpetuem, preservem e transmitam os seus traços culturais.
É claro que qualquer coisa pode ser utilizada para o bem, como pode ser utilizado para o mal. No caso da mídia atrelada ao turismo, ela tem como função divulgar novos lugares, novas culturas, hábitos e modos de vida. Não obstante, ela pode vender e conceituar uma ideia nas cabeças menos instruídas, que o produto ou costume mostrado é o certo ou é o melhor caminho.
Imagem retirada da Internet- Livro A Invasão Cultural
Norte-Americana
Um exemplo clássico desse efeito de culturas em detrimento é o caso da invasão da cultura norte americana no Brasil. A invasão cultural é dada pela forte divulgação midiática, bem como a indústria do cinema e pelo fato da maioria dos produtos serem provenientes da grande potência.
Certamente, torna-se importante ressaltar que essas mesmas pessoas não possuem a base cultural que seus pais ou avós tiveram. A nova geração é a principal vitima da influencia de outras culturas na sua vida, visto a não continuidade do processo de transmissão cultural dos avos aos netos ou dos pais aos filhos.
Sem esse embasamento cultural, as novas gerações encontram-se desnorteadas. Assim, visualizando novas culturas elas acabam criando a sua própria. Dessa forma, cria-se uma sociedade fragilizada, sem identidade cultural e que. Possivelmente. o conhecimento sobre as antigas manifestações culturais serão privilégios de alguns poucos curiosos, pesquisadores ou membros de antigas famílias tradicionais.
É nesse contexto que se insere a importância do turismo planejado. Quando realizado de forma pensada no bem estar da população e do visitante, o turismo pode ser uma vertente de comunicação capaz de transmitir, perpetuar e preservar os traços culturais.
Mas para que isso ocorra é necessária a realização de algo que foi mencionado anteriormente: que o grupo receptor e o grupo visitante tenham em mente as suas raízes, ou seja, a sua essência, o seu modo de viver .
Se ambas as partes tiverem em mente que àquele contato com outra cultura tem como intuito o conhecimento, possivelmente os danos com degradação cultural serão inferiores ou quase inexistentes.
Muitos estudiosos do campo do turismo acreditam que a cultura não se faz, ela se resgata e se preserva. Não existe impor uma manifestação cultural a uma cidade, sendo que não é de origem dela, ou seja, é o simples fato de realizar uma festa ou comemoração das inúmeras revoltas do período regencial em um município que não foi palco das mesmas.
Por conta disso é que a própria população aceita tudo o que é proposto, pois ela não possui o conhecimento da sua verdadeira origem ou, caso possua, não existe a sua manifestação no cotidiano.
Basicamente, ela não sabe de onde veio. Assim, chega-se a uma máxima da história “para entender o presente é necessário compreender o passado para seguir ao futuro”.

GALERIA



MATÉRIA PUBLICADA NA EDIÇÃO DE NOVEMBRO DA REVISTA ELETRONICA BRAGANTINA ON LINE.
 Fonte: http://pt.scribd.com/doc/247147108/Revista-Eletronica-Bragantina-On-Line-Novembro-2014


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Imagem Retirada da Internet
Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento.
Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto.
Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador.
Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotelaria, gastronomia, guia de rotas, projetos, pesquisa, preservação, imprensa turística, marketing turístico, recreação e muitos outros campos. Além disso, o turismo possui segmentos, como o turismo de negócios, rural, saber, aventura, natural, ecológico, histórico, pesca, gastronômico, náutico, étnico, religioso e muitos outros mais.
Então se torna um pouco difícil achar a área de atuação, claro que alguns já possuem mais afinidades com algumas áreas e acabam se empenhando nelas. Durante o decorrer do curso é possível diagnosticar as suas afinidades e investir na que mais lhe convém, mas se isso não estiver dando muito certo vamos paras algumas dicas um pouco clichê:
- Faça estágios para aplicar a teoria apendida em sala de aula, assim você poderá contextualizar o aprendizado e verificar se é algo que você goste.
- Participe de feiras e palestras do setor de turismo.
-Converse com profissionais já atuantes na área (pode ser os professores mesmo).
Imagem retirada da Internet
- Se o seu curso tiver, participe da empresa júnior, ela tem o intuito de colocar em prática tudo o que você aprende em aula.
Bom em síntese, prove de tudo um pouco, você só saberá o que vai gostar quando experimentar, não se preocupe em sair da faculdade e já garantir o emprego até o fim da vida, fique despreocupado a vida é feita de tentativas e aprendizado, seja com os erros ou com os acertos.
Portanto, desafia-se procure um emprego no setor e tente absorver tudo o que ele pode te oferecer e, se por acaso esta terminado turismo e ainda acha que não é a sua área, não há problema algum, conhecimento nunca é de mais, faça uma segunda graduação ou prossiga para um mestrado. Como diz uma grande máxima ‘conhecimento é a única coisa que não tiram de você’, então assim que formado você esta um passo a frente de muitas pessoas, e a hora de errar ou acertar é agora.

Boa Sorte!
Assista o Video Blog sobre o tema:

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Importância e a Valorização do Turismo Religioso- Por Alexandre Quintino

Basílica de Aparecida
O Brasil além de ser um país de inúmeros valores, também possui um lado religioso que estimula seus fieis a se deslocarem de seu local natural para os grandes templos sagrados, tornado assim sua fé e espiritualidade, mas viva para seguir a vida da melhor forma.  As crenças e festejos são variados e acontecem de várias maneiras, seja como romarias, peregrinações e datas especiais elas atraem pessoas do mundo todo para conhecer os locais.
             Nossa Senhora Aparecida é a padroeira do Brasil, sua Basílica fica na cidade de Aparecida do Norte no interior do estado de São Paulo. Sua história é contada como um milagre de três pescadores que todos os dias iam pescar. Certo dia eles lançaram a rede varias vez e não conseguiam quase nada de peixes, quando eles já estavam desistindo perceberam que havia uma imagem junto à rede. Após encontrarem a imagem eles notarem que ao lançarem a rede ao mar à mesma vinha recheada de peixes, e continuou sempre dessa forma. Foi então que se deu um milagre, onde a virgem morena, assim conhecida por sua cor de tonalidades escura, Nossa Senhora Aparecida no simbolismo religioso latino americano.
Basílica de Aparecida
Os pescadores colocaram a imagem em um suporte e na mesma tarde chamaram a vizinhança para se reunir e rezar um terço, pois daquele dia em diante virou tradição rezar todos os dias na vila hoje conhecida como Aparecida.
 Sua basílica é a terceira construída no município, foi inaugurada em 1955 e solenemente consagrada no dia 4 de julho de 1980 pelo papa João Paulo II em sua visita ao país. É o terceiro maior templo católico do mundo, tem o formato de uma cruz grega e  sua torre mede 100 metros de altura, recebe em  média cerca de 75mil  fiéis . Anualmente no dia 12 de outubro, seu dia no calendário, recebe milhões de romeiros e homenagens, numa pesquisa realizada em 2013 foram contabilizados mais de Sete milhões de visitantes e devotos, além de turistas que vão até a cidade para apreciar a beleza local.
       Outra festa também conhecida mundialmente é o Círio de Nazaré na cidade de Belém do Para. A festa acontece no segundo domingo de outubro anualmente e foi consagrada a maior Manifestação Católica Brasileira. Um dos grandes eventos religiosos do mundo que em uma manhã chega a juntar mais de duas mil pessoas na cidade.
Círio de Nazaré
O círio e a sua origem vem da palavra latina cereus, que significa vela grande. As procissões eram noturnas e cada pessoa levava uma vela. Conta-se que a imagem da santa, Nossa Senhora de Nazaré, foi vista por um homem chamado Plácido José de Souza, próximo ao rio Igarapé. O Homem que morava na região pegou a imagem e levou para um barraco em um lugar simples, colocou a imagem numa espécie de altar e ficou surpreso quando percebeu no dia seguinte que ela não estava no local onde ele tinha posto. Ele logo ficou exaltado e saiu à procura, enquanto andava na margem do Murutucu ficou novamente surpreso, pois viu a imagem sobre as pedras.
Um tempo depois, o fato ocorreu novamente e a história foi parar no ouvido do governador da época, que exigiu que levassem a imagem para o palácio e onde teria extrema segurança, mesmo assim no dia seguinte a imagem não se encontrava lá. Devotos perceberam que a santa queria ficar nas margens do rio igarapé, e assim foi concedido. Então, a igreja foi edificada ali, onde Plácido também construiu sua a sua casa. O tempo passou e o local foi se tornando conhecido, logo depois foi construída sua basílica, em 1941, seguindo o estilo romano e ao fundo havia trinta e seis colunas de granito.
Padre Cicéro
             A festa do círio possui vários seguimentos e uma duração de quinze dias.  Há um grande percurso pela cidade de varias horas, incluindo missas, novenas, feiras, arraiais com fogos de artifícios e muita diversão. Além do almoço do círio com todas as comidas típicas da região como maniçoba, o tacacá ou casquinha de caranguejo, e o pato no tucupi. A festa acaba no quarto domingo de outubro com uma procissão de retorno chamado recírio.
      Dando continuidade as festas religiosas brasileiras, vamos para Juazeiro do Norte – Ceará, onde se encontra Padre Cícero. A cidade fica no Vale do Cariri e o milagre veio marcar a cidade em 1889, através de uma hóstia que se transformou sangue, quando o padre no decorrer da missa dava a mesma a uma beata de nome Maria Magdalena do Espírito Santo. O fato foi acontecendo com outras pessoas em Juazeiro que ficou conhecida como a cidade do Padre Cícero.
Madre Paulina
            Os fiéis começaram a aparecer de muitos locais diferentes, mudando assim os hábitos das pessoas do local, mesmo com Padre Cícero nunca ter sido beatificado a fé dos cristãos sempre falou mais alto e eles seguem atribuindo muitos milagres e devoção ao mesmo. Em novembro, mês dos finados, mais de dois milhões e meio de peregrinos vão a Juazeiro. Entre os atrativos do local encontram-se a igreja matriz Nossa Senhora das Dores, uma construção barroca, a igreja de São Francisco que guarda relíquias religiosas do norte e nordeste, e a capela Perpetuo Socorro. Juntas elas conseguem reunir varias pessoas no local onde se localiza o túmulo do Padre dos milagres. Sua estatua com 20 m de altura está localizada na serra do Horto, lugar sagrando onde ele fazia as suas pregações espirituais. O monumento é a terceira maior estátua em concreto do mundo, perdendo apenas para a estátua da liberdade em Nova York e para o Cristo Redentor no Rio de Janeiro. Há também um museu e memorial destinados ao conhecido “Padim Ciço”.
Madre Paulina
     Em Nova Trento, Santa Catarina, no centro da região sul do país, aproximadamente 75 km da capital Florianópolis, colonizada por italianos e deixada como heranças da fé cristã pelos imigrantes da região de Trento norte da Itália. A região passou a ter um forte número de turistas após a beatificação de Madre Paulina em 1991. Sua canonização em 19 de maio de 2002, fez dela a primeira santa brasileira.
Nova Trento é o único lugar no Brasil onde existe mais de um santuário, tendo dois roteiros religiosos e fazendo com que os turistas e romeiros cheguem à média de vinte mil, em diversas partes. O bairro de Vígolo, que fica a 5 km do centro, foi onde a religiosa fez seu trabalho assistencial dedicando todo o seu tempo a enfermos e crianças.
A fundação e a congregação Irmãzinha da Imaculada Conceição tem uma amostra da casa onde a santa ficou por um tempo, cuidando de uma mulher com câncer.
            Outro atrativo religioso é o museu que fica no mesmo prédio da Congregação onde a freira morreu. O local contém uma serie de objetos e documentos da madre, e lá também se encontra a cama onde ela ficou e veio a falecer com deficiência visual e o braço amputado devido o diabetes. Seus fiéis visitam o local e deixam pedidos de oração no colchão de palha, além de agradecimentos por graças alcançadas.
Um dos santuários em homenagem a madre Paulina tem detalhes de cenário feitos pelo artesão Francisco Minatti, outro em Nossa Senhora do Bom Socorro que fica a 525 metros de altitude, feito no inicio do século, teve todo seu material utilizado na sua edificação, carregando de forma tradicional, ou seja, nas costas do povo de Nova Trento.
             Falando em religiosidade não se pode deixar de citar Nova Jerusalém em Pernambuco. Onde nas semanas que antecedem a páscoa é realizado o maior teatro ao ar livre do mundo, o grande espetáculo da paixão de cristo.
Não há como não se emocionar, o local é fascinante e pode-se vivenciar e aproveitar um espetáculo cheio e rico em detalhes. Todas as pessoas que prestigiam o espetáculo se envolvem por completo em cada cena.
Tudo acontece na Fazenda Nova, na pequena cidade de Brejo da Madre de Deus, agreste Pernambucano.  Seu inicio em 1951 era uma pequena manifestação, mas com muito cuidado pelo morador local Epaminondas Mendonça que se inspirou na paixão encenada anualmente na cidade Alemã de Oberammergau, a peça era realizada em outro local e foi no ano de 1968 quando realizada a primeira encenação de perca chamada hoje de Nova Jerusalém.
Nova Jerusalém
            O cenário é composto de uma muralha de pedras e setenta torres, e faz uma replica de Jerusalém na paisagem árida e semidesértica do agreste. O espetáculo possui quinhentos atores e figurantes que se deslocam em cenários como o palácio de Herodes, o fórum de Pilatos e o cenário onde Jesus realizou a última ceia com seus apóstolos, antes de ser entregue as autoridades judaicas.
Com um total de duas horas de espetáculo, em 2009 o publico ultrapassou setenta mil espectadores. Pessoas de todos os estados do Brasil e até mesmo do mundo para prestigiar e vivenciar um pouco de tudo que hoje faz parte da história, com realismo e emoção, fazendo com que elas o vejam e reflitam sobre elas mesmas e também tenham uma nova percepção da vida.
      Os destinos religiosos mexem com o turismo do Brasil, cerca de 15 bilhões por ano movimenta o seguimento fazendo com que cada ano os locais visitados sejam bem mais preparados para o conforto do turista. E mesmo o turismo doméstico movimenta a economia e o país agradece aos fiéis, que vêm para praticar sua fé e ao mesmo tempo fazer turismo. É o país da diversificação, mas com um único foco crescer cada vez mais o turismo.


Sobre o Autor
Alexandre Quintino
Nasci em Arapiraca/AL ,cursei o ensino médio no colégio santíssimo senhor, sou Bacharel em Turismo pela Faculdade de Ensino Regional Alternativa FERA, onde realizei o trabalho de conclusão de curso como o tema TURISMO SEM EXCLUSÃO UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO DE DEFICIENTES COM AS PRATICAS TURÍSTICAS .
Atualmente faço pós em Recursos Humanos e também um curso de eventos que me identifico muito nessa área de eventos onde pretendo atuar e dedicar minha vida profissional, como em outros segmentos do turismo. O turismo adaptado e acessível para todos, cultural e ecoturismo.
Ler nos faz viajar, mas é fundamental para a mente. Portanto pratique esse dom que transforma as pessoas

Contato: alexandre.aqs@hotmail.com


REFERÊNCIAS
CASTANHO, A. Conheça mais dois símbolos importantes do tradicional Círio de Nazaré. Disponível em <http://www.viagensdefe.com.br/conheca-os-simbolos-tradicional-cirio-de-nazare/#.VEZLRPnF8xV>
SPEERT. Turismo religioso no Brasil. Disponível em< http://www.sppert.com.br/Artigos/Brasil/Turismo/Tipos_de_Turismo/Religioso/Turismo_religioso_no_Brasil/>
TERRA. 5 destinos religiosos  mais badalados do Brasil. Disponível em <http://vidaeestilo.terra.com.br/turismo/brasil/5-destinos-religiosos-mais-badalados-do-brasil,d00824558b237310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html>

TURISMO, Ministério do. Mtur investe em turismo religioso. Disponível em <http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20130912.html>