sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O Folclore e o Turismo

Colagem de Gsutavo Rosseb,
produzida em oficina de Silvio Alvarez
Mas o que significa e o que é Folclore?
Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010)
Você sabia que o Folclore é protegido por lei?
Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”.
Você sabia que o Folclore possui uma Comissão Nacional?
A Comissão Nacional de Folclore é uma entidade governamental que possui como intuito a fomentação e preservação do folclore brasileiro. A Comissão foi fundada em 1947 por Renato Almeida, por recomendação da UNESCO, e possui como sede o Palácio do Itamaraty, no Rio de Janeiro.
O FOLCLORE E O TURISMO
Quadro Lua, Artista Plastico Silvio Alvarez.
Exposição 13º Festival Nacional do Saci
A relação existente entre o folclore e o turismo é uma das melhores possíveis. O folclore faz parte do patrimônio histórico brasileiro, que por sua vez é um dos campos de exploração do turismo.
Porém, assim como o Patrimônio Cultural o Folclore não é muito bem explorado pelo Turismo. Visto que no Brasil não existe uma exploração e evocação expressiva da cultura tradicional, mas sim eventos isolados que possui grande influencia regional.
A exemplo desses eventos se encontra o Revelando São Paulo, que é o maior festival de cultura tradicional paulista da America Latina, porem poucos o conhece. Outros eventos regionais são as Festas do Bumba Meu Boi, que ocorrem no Estado do Amazonas, Pernambuco e Maranhão, o Festival Nacional do Saci, que ocorre em Botucatu/SP e o Carnaval, Folia de Reis, Festa do Divino e as Festas Juninas.
Esses eventos visam preservar, disseminar e perpetuar os costumes, as historias, as cantigas, as brincadeiras e tudo que seja relacionada ao Folclore, ou melhor, a sabedoria do povo que passou de geração em geração.
É nesse contexto que o turismo está totalmente interligado, pois ele é capaz de fazer a ponte entre o passado e o presente e captar as novas gerações para conhecer esses traços culturais. É dado que é o turismo que depende das culturas, porem as culturas dependem do turismo para se perpetuar.
O Brasil quase nunca deu ênfase a cultura tradicional e na atualidade isso está se perdendo drasticamente. Vemos todos os dias a influencia da cultura Norte Americana na vida das novas gerações, formando dessa forma um ciclo vicioso, impedindo essa geração de olhar para a cultura do seu próprio país.
Em virtude disso ouvimos muitos comentários desse gênero “Ah, o Brasil não possui Cultura”, se torna triste ver que muitas pessoas ainda possuem esse pensamento arcaico e efêmero.
Por essa razão que o turismo tem um grande trabalho em desmistificar esse pensamento e semear novas ideias. Assim como o folclore, todas as manifestações culturais devem ser preservadas e fomentadas, para que no futuro se possa olhar para o passado e entender o presente.

E Só para lembrar que hoje, dia 22 de Agosto, é o dia do Folclore. Vamos festejar a cultura tradicional brasileira!
Veja alguns videos sobre o Folclore:

Acredito que utilizando videos didáticos fica mais fácil o aprendizado e mais divertido também, afinal aprender deve ser algo prazeroso. Obrigado

REFERÊNCIAS
FOLCLORE. Folclore. Disponível em <http://folcloreportaldoprofessor.wordpress.com/> Publicado em: 3 de agosto de 2010.

WIKIPÉDIA. Comissão Nacional de Folclore. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Comiss%C3%A3o_Nacional_de_Folclore> Acesso em: 21 de Agosto de 2014.

domingo, 17 de agosto de 2014

Desenvolvimento Turístico- Revista Bragantina On Line

Na edição de Agosto da Revista Bragantina On Line, trago na coluna A Arte do Turismo e da Hotelaria a importância da participação e aceitação da população no desenvolvimento Turístico. Acompanhe:

Desenvolvimento Turístico
A atividade turística tem se expandido e ganhado novos mercados nos últimos anos, devido ao fato do turismo ser uma fonte de renda alternativa que não requer grandes investimentos. Com isso nasce o desejo de inúmeros municípios em se tornarem um destino turístico.
Em contrapartida ao anseio da Prefeitura e dos comerciantes está a população, que na maioria das vezes não concorda que o município receba turistas e invista no turismo.
Capa, Revista Bragantina On Line
Muitas cidades com potencial turístico, localizadas no interior do estado e com sistema urbano em formação, poderão receber um grande fluxo de turistas, gerando transtornos no trânsito, no acesso ao comércio e sistema bancário; o que acarretará em descontentamentos na população local.
Outro argumento utilizado é que o turista depreda o patrimônio da cidade. As formas de depredação podem ser entendidas pelo fato dos visitantes deixarem lixo no local e pelo hábito de escrever nomes e mensagens em árvores e muros.
Além disso, outra preocupação dos moradores é com a violência que o turismo poderá trazer. Quando o município vira um destino turístico, obviamente há um investimento em divulgação para captar novos turistas, logo, essa divulgação atinge diversos níveis sociais e grupos com diferentes características.
A resistência da população é clara quando se trata de um município pequeno que é conhecido regionalmente. Outro empecilho é que a chegada da atividade turística altera o modo de vida da população, que levará certo tempo para se adaptar.
Como todo desenvolvimento, a atividade turística municipal depende basicamente do apoio e empenho da população. Portanto, cabe à administração pública sensibilizar a comunidade local acerca dos benefícios do turismo.
Não havendo o interesse por parte da população em receber turistas, o destino vai perder a característica hospitaleira, acarretando falta de mão de obra, que pode ocasionar a importação desse serviço. Tais fatores poderão impactar negativamente a imagem do município, uma vez que os maiores divulgadores são os habitantes.
É necessário expor ao munícipe que o turismo é uma grande fonte geradora de empregos, bem como uma nova alternativa de comércio e um agente que garante a permanência do jovem na cidade.
O turismo, quando bem aplicado, permite o desenvolvimento urbano, ou seja, melhorias de estradas, sinalização e a preservação patrimonial, além do desenvolvimento social, com cursos profissionalizantes, valorização e intercâmbio cultural.
Artigo Revista Bragantina On Line
O apoio da população no desenvolvimento turístico do município é indispensável. Uma das formas de sensibilização de base pode ser feita na escola, pois é por meio da sensibilização das futuras gerações que será construída uma sociedade tolerante e democrática.
Sendo assim, o turismo deve ser inserido no âmbito escolar, garantindo dessa forma a liberdade de escolha da população em ser ou não ser um destino turístico. As futuras gerações serão as responsáveis pelo desenvolvimento municipal, estadual e federal, e se elas tiverem um conhecimento previamente fomentado serão capazes de escolher as melhores alternativas.



Acompanhe a Revista Bragantina On Line: https://sites.google.com/site/revistabragantinaonline/
Acompanhe a Edição de Agosto da Revista: http://pt.scribd.com/doc/237053365/Revista-Eletronica-Bragantina-On-Line-Agosto-2014

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Peso do Amor- Ponte dos Cadeados em Paris

Ponte das Artes- Foto Retirada da Internet
O local mais visitado pelos amantes, Paris na França, corre o risco de ceder a qualquer momento.
No dia 8 de junho de 2014, domingo, parte do alambrado da ponte das Artes (Pont dês Arts) caiu, cerca de 2, 40 metros. Ela teve que ser evacuada e só foi reaberta na segunda-feira (9).
Para os amantes que visitam Paris a ponte é um local indispensável, eles colocam seus nomes em um cadeado e prendem no corrimão e na grade da ponte, logo após jogam a chave no Rio Sena, esses cadeados são conhecidos como “cadeados do amor”.
A ponte está localizada em uma das regiões mais bonitas de Paris, ela atravessa o rio Sena junto ao Louvre e oferece uma vista privilegiada da cidade.
O ato de amor é belíssimo, porem está sendo muito prejudicial para as condições estruturais da ponte, que já não suporta mais os milhares de cadeados presos nos seus mais de 150 metros de comprimento.
Ponte das Artes sem os Cadeados- Foto retirada da Internet
Segundo Globo (2014), os cadeados começaram a chegar à ponte em 2008, tendo estado limitado em 2010.
Contudo a moda dos cadeados se espalhou por toda cidade. Atualmente pode ser visualizados cadeados em diversas pontes e, até a Torre Eiffel foi vitima do ato de amor.
A população encontra-se indignada com o grande numero de cadeados na ponte das Artes. Segundo elas os cadeados geram uma poluição visual e oferece certo perigo para aqueles que trafegam na ponte diariamente.
Foto Retirada da Internet
É visto que ritual já consolidado na cidade dos Amantes, porem tal ato está ocasionando sérios problemas. Cabe aos turistas uma conscientização do impacto do seu gesto de amor no ambiente.
A reportagem é de Junho e, estamos em Agosto, mas ainda o ato de amor acontece e logo, logo a festa pode acabar.
Lembrando que esses atos já podem ser vistos no Brasil, em pequena quantidade, mas já é algo considerável.
REFERÊNCIAS
VEJA. “Cadeados do Amor” fazem grade de ponte ceder em Paris. Disponível em <http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/cadeados-do-amor-fazem-grade-de-ponte-ceder-em-paris> Acesso em: 15 de agosto de 2014.

GLOBO. Parte da ponte de cadeados do amor colapsou. Disponível em <http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3961948&seccao=Europa> Acesso em: 15 agosto de 2014.
Acompanhe a Matéria do Estadão

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua
Bandeira Nicarágua
A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO
A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua.
TOP 8 CURIOSIDADES
-1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol.
-2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes
- 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem motivos que é chamada de Terra dos Vulcões dos Lagos.
Ave, simbolo da Nicarágua
- 4º A maior parte da população nicaraguense é formada por mestiços de índios com brancos europeus (69%).
-5º Apesar de possuir uma área menor do que a de muitos estados brasileiros, a Nicarágua é rica em vulcões, cerca de 25 focos vulcânicos. Os mais conhecidos são o San Cristobal, o Telica, o Concepción, o Mombacho, San Jacinto e o Maderas.
- 6º A ave símbolo da Nicarágua é o Guardabarranco, um pequeno pássaro com duas penas na calda que lembram raquetes.
-7º O lago Cocibolca é também chamado de lago Nicarágua. É o segundo maior lago da América Latina, atrás apenas do lago andino Titicaca.
- 8º Nicarágua é o maior país da America Central.
- 9º A economia nicaraguense é predominantemente agrícola.
- 10 ºNa culinária, o prato típico é um prato feito em estilo de feijão com arroz.

TURISMO
O turismo na Nicarágua está crescendo e atualmente tem a segunda indústria mais bem sucedida da
nação.  A maioria dos turistas que visitam a Nicarágua são dos Estados Unidos, América Central, América do Sul (sobretudo Brasil e Argentina) e Europa (sobretudo de países Escandinavos, como Dinamarca e Noruega. Segundo o Ministério do Turismo da Nicaragua (INTUR), a cidade colonial de Granada é o destino preferido para os t
uristas. Também o são as cidades de León, Masaya, Rivas e o Río San Juan De Nicaragua, as praias de San Juan del Sur, a ilha de Ometepe, o vulcão Mombacho, as Ilhas do Milho (Corn Island e Little Corn Island), dentre outras, são atrações turísticas principais. Além disso, o ecoturismo e a prática do surfe atraem muitos turistas à Nicarágua.

PONTOS TURÍSTICOS
Cidade de Granada
Granada é uma cidade localizada às margens do Lago Cocibolca, na costa oeste da Nicarágua.
Cidade de Granada
Granada é a capital do departamento de Granada, sua população estimada em 2004 era de 110.000 habitantes, a maioria descendentes de europeus e mestiços de descendentes de europeus. 
Granada foi fundada em 1524 por Francisco Hernandes de Córdoba. Foi uma das primeiras cidades fundadas por europeus em terra firme do continente americano. 
É considerada um dos 25 lugares do mundo que não se deve deixar de visitar. Sua arquitetura colonial e neoclássica são belas e bem conservadas
Parque Nacional Vulcão Masaya 

Parque Masaya
Parque Nacional Vulcão Masaya – localizado à 14km de Managua, o vulcão Masaya domina a paisagem e é cercado por outros pequenos vulcões. Algumas lendas dizem que os indígenas utilizavam esses vulcões para fazer oferendas à Chaciutique, jogando jovens em sua lava.. Os colonizadores espanhóis acreditavam que o vulcão era a porta do inferno, habitação de vários demônios.
Arquipélogo
Arquipélago de Solentiname
Arquipélago de Solentiname – localizado a parte sul do lago de Nicaragua, é o local de uma comunidade estabelecida pelo poeta Ernesto Cardenal. Além de possuir uma reconhecida escola de pinturas primitivista, é um ótimo local para o ciclismo, pescaria ou mesmo para descanso.
Ilhas do Milho
Ilhas do Milho ou Ilhas de Maíz são duas ilhas
Ilhas do Milho
pertencentes à Nicarágua (as ilhas chamam-se Grande e Pequena) com 12 km² e com uma população que ronda os 2.700 habitantes, constituída por caribes negros chamados garifunas. Estão estrategicamente situadas no Mar das Caraíbas, frente à cidade de Bluefields, na Nicarágua. O inglês e o espanhol são as línguas faladas nas ilhas.
A principal actividade económica das ilhas é a pesca. O crescimento do turismo tem afectado às ilhas, sendo a observação dos recifes de coral a sua principal atração.
INFORMAÇÃO E SERVIÇOS
Moeda Oficial: Córdoba
Língua Oficial: A língua oficial é o espanhol
Fuso horário: Seis horas a menos em relação a Brasilia
Vistos Consulares: Brasileiros necessitam de tarjeta de entrada, tanto a turismo como a negócios. É emitida uma tarjeta ao ingressar no país no próprio aeroporto mediante o pagamento de uma taxa, no valor aproximadamente de U$10,00.
Esta tarjeta tem validade de 30 dias para permanecer no país.

Passaporte: deverá estar com validade superior de seis meses a partir da viagem.
Vacinas: para entrar no país é necessária a vacina de Febre Amarela Internacional.
Site Turismo Nicarágua: http://visitnicaragua.us/
Site Nicarágua: http://www.nicaragua.com/

REFERÊNCIAS
WIKIPÉDIA. Nicarágua. Disponível em < http://pt.wikipedia.org/wiki/Nicar%C3%A1gua> Acesso em: 07 de agosto de 2014
CURIOSIDADE, M. Q. 15 curiosidades sobre a Nicarágua. Disponível em< http://maisquecuriosidade.blogspot.com.br/2014/05/15-curiosidades-sobre-nicaragua.html> Acesso em> 07 de agosto de 2014.
PAÍSES. Nicarágua vuelo aventuras. Disponível em < http://paises.hlera.com.br/america-central/nicaragua/curiosidades-sobre-a-nicaragua.htm> Acesso em: 07 de agosto de 2014
.Veja o vídeo sobre a Nicarágua.