sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O coração de mãe que sempre cabe mais um: a hospedagem solidária

Viajar sempre foi um desejo de muitos, mas por inúmeros fatores não é sempre que podemos sair por aí conhecendo os lugares, nos aventurando e conhecendo novas pessoas, seja por falta de tempo, motivos financeiros e tantos outros motivos.
No entanto, atualmente, vem ganhando força no Brasil a hospedagem solidária, muito conhecida também com a versão americana do Couchsurfing. A hospedagem solidária pode ser uma das alternativas para quem quer sair viajar e não deseja gastar muito.
Na atualidade, por conta das redes sociais, sempre conhecemos novas pessoas e desenvolvemos amizades a distância. O couchsurfing, bem como o facebook, instragram e demais redes sociais, possui o intuito de unir viajantes e pessoas que os desejam receber.
Nesse modelo de hospedagem você fica na casa de um anfitrião, vive sua rotina, seus hábitos e costumes. Mas é claro que não há a privacidade que temos nos hotéis e até nos hostels, mas o objetivo principal da hospedagem solidária e do couchsurfing é além de promover viagens para os necessitados, gerar interações entre pessoas.
Vivemos em um contexto no qual as relações se tornaram robóticas, as pessoas que nos atendem, seja nos hotéis, transportes e outros serviços e equipamentos turísticos, mal perguntam nosso nome e de onde nós viemos.
A cultura do consumo tem alargado as relações e restringindo-as a prática comerciais, esquecendo-se das bases da hospitalidade e, principalmente, da humanização das relações.
Deste modo, surge a hospedagem solidária para tentar driblar esse movimento e trazer ao turismo uma nova concepção de viagem. Conhecer a comunidade local é o primeiro passo para entender o espaço em que se visita, para que assim, se construa um turismo consciente e menos degradador.
E somente entendendo os locais, literalmente vivendo com eles, é que adquirimos consciência e experiências. A autenticidade das viagens só podem ser alcançadas quando vivenciamos a verdadeira realidade dos destinos.
Não há idade para viajar e fazer uso de hospedagem solidária, também não existe restrições etárias, pois basta encontrar o anfitrião que mais se encaixa em seu perfil. Apenas dois fatores devem ser presentes no espírito de quem se hospeda solidariamente: o respeito às diferenças e o conhecimento do seu espaço.
 Claro que ser precavido(a) é algo essencial, pois você ficará na casa de uma pessoa que você nunca viu antes, mas com um planejamento prévio, semanas de conversas com os anfitriões, os problemas tendem a diminuir.

Portanto, quando você viaja utilizando a hospedagem solidária, no ato de arrumar as malas o peso será maior, mas não devido às peças artesanais que comprastes, mas sim pelas inúmeras histórias, vivências e aprendizados que obteve neste período.


Artigo publicado na revista Bragantina On Line:
GONÇALVES, L.G.M. Hospedagem solidária. Revista Eletrônica Bragantina On Line. Joanópolis, n.58, p. 13-14, ago. 2016.